jusbrasil.com.br
4 de Julho de 2022

Homem é condenado a indenizar ex-namorada por estelionato sentimental

DR. ADEvogado, Administrador
Publicado por DR. ADEvogado
há 6 meses

O Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios (TJDFT) decidiu manter a sentença que condenou um homem a indenizar uma mulher por estelionato sentimental. Os dois mantinham um relacionamento a distância e o condenado se aproveitava da vítima, pedindo dinheiro e presentes. De acordo com a 2ª Turma Recursal dos Juizados Especiais do DF, além da indenização, ele deverá ressarcir a quantia referente aos presentes recebidos.

De acordo com os autos do processo, a mulher e o acusado mantiveram um relacionamento entre dezembro de 2019 e julho de 2020. Desde o início, segundo a vítima, o namorado pedia empréstimos e presentes. Em uma das ocasiões, ao insinuar que queria um celular, o rapaz a pediu em casamento. E, diante da emoção, a mulher comprou o aparelho.

A mulher relatou ainda que o rapaz a enganou com a proposta de casamento e que, após receber os presentes, passou a ser rude e a afirmar que não tinha mais interesse em continuar a relação, prova, segundo ela, de que ele usou dos seus sentimentos para obter vantagens financeiras.

Em defesa, o homem disse que não praticou nenhuma conduta ilícita e que não houve estelionato sentimental. Ele afirmou, ainda, que o relacionamento era a distância e que, por conta da situação econômica, a mulher dava alguns presentes a ele.

Em primeira instância, a juíza do 5º Juizado Especial Cível de Brasília observou que as provas dos autos mostram que “o réu se valeu dos sentimentos da autora, envolvendo a vítima com declarações, e da confiança amorosa típica de um casal, além de promessas, como a de um futuro casamento, a induziu e manteve em erro, com o intuito de obter vantagens, praticando assim estelionato afetivo”.

Após ser condenado ao pagamento de indenização por danos morais e materiais, o homem recorreu da sentença. No entanto, ao analisar o recurso, a Turma destacou que as provas são suficientes para manter a condenação do réu ao pagamento dos danos materiais e morais. O colegiado concluiu que “restou comprovada a afronta a direito da personalidade, notadamente a incolumidade psíquica da recorrida, que foi severamente atingida na sua afetividade ante a conclusão de que o interesse do recorrente cingia-se à esfera material”.

Sendo assim, a sentença foi mantida e o homem foi condenado a pagar de R$ 4 mil por danos morais e a ressarcir a quantia de R$ 23.227, referente a presentes, como celular e câmera fotográfica, a conserto de veículo e dinheiro emprestado.

Com informações do TJDFT

(Fonte: Correio Brasiliense)

🔥SIGA NOSSO FACEBOOK DE NOTÍCIAS E HUMOR JURÍDICO

Veja também:

👍 Kit Advogando 2.0 - As melhores petições, milhares de contratos, atualização periódica, bônus exclusivos!

📰 Curso Completo de Processo Civil 2021 - O melhor do Mercado!

📈 Direito Simples e Objetivo - O melhor curso didático preparatório para Concursos Públicos, o mais bem avaliado do mercado!

Informações relacionadas

Marcus Alves, Bacharel em Direito
Notíciashá 6 meses

Se você tem o hábito de compartilhar "print" de conversas em redes sociais, cuidado! Entenda o que diz o STJ.

Josenildo Júnior, Advogado
Notíciashá 6 meses

Criação de filho poderá contar para tempo de Aposentadoria!

Hiromoto Advocacia, Advogado
Notíciashá 6 meses

Covid-19: convênio não pode exigir cumprimento de carência em casos de emergência

Marchi e Boulos Advogados Associados, Advogado
Notíciashá 6 meses

A importância da Ata Notarial para a apresentação de prints de Whatsapp como prova

Gustavo  Soares, Advogado
Notíciashá 6 meses

Covid-19: convênio não pode exigir cumprimento de carência em casos de emergência

1 Comentário

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Esse é o conto do vigário mais antigo…🙈 continuar lendo