jusbrasil.com.br
23 de Outubro de 2018

Ex-faxineira que virou juíza lança livro sobre sua história: 'É possível concretizar os sonhos'

DR. ADEvogado, Administrador
Publicado por DR. ADEvogado
há 3 meses

A juíza de direito Adriana Marques Queiroz, de 38 anos, lança, o livro "Dez passos para alcançar seus sonhos - A história real da ex-faxineira que se tornou juíza de direito", em Goiânia. Na obra, ela conta sua trajetória desde o seu primeiro trabalho, como faxineira, até chegar à magistratura, na qual atua desde 2011, em Quirinópolis, na região sul de Goiás.

Em entrevista ao G1, a magistrada relata uma infância pobre, passando por desafios que colocaram à prova seus sonhos e por pessoas que a ajudaram até a aprovação no concurso público para juíza. Adriana quer, com o livro, incentivar as outras pessoas a seguirem em busca dos seus sonhos.

"Quando tomei posse, em 2011, muitas pessoas me procuraram pedindo dicas sobre como conseguir o que se almeja. Ali surgiu a vontade de escrever um livro mostrando que não é fácil, mas é possível. Quando me tranquilizei na carreira, comecei a escrever para levar essa mensagem e incentivar as pessoas mostrando que é possível concretizar os sonhos desde que haja empenho", disse.

Adriana é titular da 1ª Vara Cível e da Vara de Infância e da Juventude de Qurinópolis, cidade goiana que entrou na vida dela por acaso. Os pais deixaram a zona rural de Guanambi, no sertão da Bahia, e se mudaram com os seis filhos para Tupã, no interior de São Paulo em busca de melhores condições de vida.

Caçula da família, Adriana percebeu cedo a importância dos estudos. Durante o ensino médio - todo cursado em colégio público - ela começou a alimentar o sonho de fazer direito. Com 18 anos, ela passou no vestibular em uma universidade particular, mas, para tentar pagar os estudos, começou a trabalhar como faxineira.

Entre o esfregão e os estudos

Adriana começou a procurar trabalho e conseguiu uma vaga de faxineira na Santa Casa de Tupã. Porém, o que recebia no emprego era insuficiente para manter os estudos e os pais não tinham condições de ajudar. Com esse desafio, ela pediu uma bolsa ao diretor do curso.

"Fui até faculdade e procurei o diretor do curso de direito. Falei dos meus sonhos e que não poderia deixar passar aquela oportunidade. Vendo o meu empenho, ele me concedeu uma bolsa de 50% nas mensalidades e ainda parcelou a matrícula, o que possibilitou eu fazer o curso", lembra.

Durante o dia, Adriana era responsável pela limpeza do chão e dos banheiros da unidade de saúde. À noite, seguia em busca de seu sonho na universidade. Após seis meses, foi promovida e passou a atuar em um cargo administrativo do hospital, que ocupou até se formar em direito.

Concurso: um novo desafio

Ao se formar, a jovem bacharel começou a lutar para chegar à função de juíza, que começou a apreciar durante a universidade. Decidida, pediu demissão do hospital, pegou o acerto e se mudou sozinha para a capital paulista.

O dinheiro, segundo ela, cobria apenas aluguel por dois meses em um pensionato. O intuito era conseguir um emprego para, além das despesas, pagar um curso preparatório para a carreira jurídica, visando um concurso público. No entanto, não conseguiu trabalho e o dinheiro que tinha começou a acabar.

Vi meu sonho ruindo, mas busquei ajuda com o diretor do curso e fui atendida. Ele acreditou em mim e me ofereceu um trabalho como auxiliar de biblioteca, além de bolsa integral", lembra.

Um ano depois, findado o curso preparatório, ela seguiu trabalhando no local e estudando por conta própria durante sete anos, inclusive nos finais de semana e feriados. A recompensa, depois de muitas tentativas, foi a aprovação no concurso cujo cargo ocupa até então.

Mais conhecimento

Adriana é a única dos irmãos a se formar em um curso superior. Paralelo aos estudos para os concursos, ela concluiu cinco pós-graduações na área de direito. Mas ela não parou por aí. No ano passado, ela ingressou no curso de letras.

Adriana durante a formatura do curso de direito, em Tupã, SP (Foto: Arquivo pessoal)

"Eu vi uma oportunidade de continuar ganhando conhecimento. Essa área me permite ampliar o que sei sobre escrita e linguagem, além de gostar muito de literatura. O estudo é fundamental. Vou continuar sempre. Jamais pensei em desistir", destaca.

Adriana mantém contato estreito com sua família, a quem considera" sua base ". Ela se casou há dois anos e planeja, futuramente, realizar mais um sonho: ter filhos.

(Por Sílvio Túlio, G1 GO /Fonte: g1 globo)

_________________________________________________

-> Manual Prático do NCPC - Curso Completo, Modelos de Petições, Jurisprudência + 3 Bônus!!

-> Curso Prático Completo - Reforma Trab. na Prática - CONFIRA!!

-> Kit Petições de Trânsito - Recursos Administrativos, Modelos de Petições - Decisões Favoráveis - SAIBA MAIS!!

13 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Meu único lamento é que pensamento como esse seja minoria. A maioria luta por cotas e prefere se agarrar ao vitimismo por fatos acontecidos há 200 anos atrás.

Realmente é uma pena que alguns abdiquem de suas capacidades e esforço individual em nome de "fazer justiça social".

Essa mulher merece os parabéns por todo esforço, todo o mérito é seu e somente seu. continuar lendo

Eu acho que o senhor não leu o texto ou não entendeu!! continuar lendo

Quem não entendeu foi você, @aletomin, releia meu post quantas vezes for necessário. continuar lendo

Resumindo... cotas serve para ajudar e o texto mostra que ela precisou da ajuda do diretor do curso da graduação ("Fui até faculdade e procurei o diretor do curso de direito. Falei dos meus sonhos e que não poderia deixar passar aquela oportunidade. Vendo o meu empenho, ele me concedeu uma bolsa de 50% nas mensalidades e ainda parcelou a matrícula, o que possibilitou eu fazer o curso" ) e do diretor do cursinho ("Vi meu sonho ruindo, mas busquei ajuda com o diretor do curso e fui atendida. Ele acreditou em mim e me ofereceu um trabalho como auxiliar de biblioteca, além de bolsa integral"). Não é vitimismo, é claro que sem essa ajuda, seria mais um sonho perdido, como tantos outros. Mérito para ela que lutou, mérito para as pessoas que ajudaram e demérito para aqueles que acreditam em meritocracia em um País tão desigual. continuar lendo

Mas gente ela só conseguiu se formar e estudar para concurso por causa da bolsa, não entenderam isso?rs
Senão estaria na faxina até hoje, sem perspectiva de nada.
A cota nada mais é que uma bolsa.
Tem para as pessoas de baixa renda (brancas e pretas) e também para pretos. continuar lendo

Parabéns pela superação isso motiva muitas pessoas. continuar lendo

Parabéns, o mérito é todo dela! Fonte de inspiração para muitos! continuar lendo

Admirável, uma lutadora. continuar lendo